Por Vladimir Petrilak
Nas imagens, vemos dois importantes intelectuais uruguaios, ambos já falecidos, que têm lugar de honra na história intelectual de seu país. O primeiro possui até uma fundação que leva seu nome, e ambos são autores de muitas publicações que denunciam a natureza maligna do “imperialismo” americano e do capitalismo em geral. Eles diziam-se socialistas, não comunistas. Possuíam uma mesma característica, além de se conhecerem e terem atuado no mesma época, eles foram agentes por um longo período e muito bem avaliados pelo serviço de inteligência comunista tchecoslovaco, o Diretorado I (Departamento I – inteligência no estrangeiro) da StB.

Artigo completo

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar