Políticos denunciados cogitam outros cargos para manter o foro privilegiado
Pimentel já sabe que não conseguirá se reeleger
Luiza Muzzi - O Tempo - 23/06/2017
Levantamento recente da “Folha de S.Paulo” mostrou que a maioria de deputados e senadores investigados pela Lava Jato pretende tentar a reeleição ou se candidatar para algum outro cargo em 2018. Nomes importantes do cenário político estariam entre os que já cogitam a “mudança de apetite” para vagas mais modestas, como estratégia para permanecer no poder.
Alvo de investigações, o governador Fernando Pimentel (PT), por exemplo, pode optar por não tentar reeleger-se, apostando no Senado. O senador afastado Aécio Neves (PSDB), por sua vez, depois de tentar a Presidência em 2014, hoje tem um futuro totalmente incerto. Aécio responde a seis inquéritos e já aventa a possibilidade de se candidatar a deputado federal.
 
Fernando Damatta Pimentel, um dos companheiros de Dilma na Luta armada e companheiro durante seu governo - Obs do site www.averdadesufocada.com 
CASAL GAROTINHO – Outros antigos conhecidos do eleitorado, que hoje não detêm prerrogativa de foro, podem tornar-se candidatos. É o caso dos ex-governadores Anthony Garotinho e Rosinha Garotinho, que, depois de citados nas delações da Odebrecht, passaram a fazer planos para 2018. O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) vai cair de turma e disputar um mandato de deputado federal.
 
Mesmo com todos os esforços, porém, a cientista política  Maria do Socorro Braga acredita que políticos tradicionais, atolados em denúncias, terão dificuldade para garantir mandatos. Em sua análise, a tendência é por uma maior renovação no Legislativo: “Devemos ter quadros mais jovens, perfis do empresariado, gestores que carregam a bandeira de não serem políticos”.
 
O cientista político Lucas Cunha avalia, contudo, que ainda que os rostos mudem, a crise política não será solucionada, se as elites partidárias

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar