A Verdade Sufocada, o Livro Imprimir E-mail
Notícias - Vale a pena ler de novo

1 - averdadesufocada @ terra.com.br ou telefone (61) 3468-6576
2 - LivrariaBrasil.Net
3 - Permanencia.org.br
4 - Livraria Cultura (Brasília, SP, Porto Alegre, Salvador, RJ e Recife)

 
ALERTA A NAÇÃO ! ASSINE ! Imprimir E-mail
Notícias - Doutrinação

O manifesto “ALERTA À NAÇÃO”, por decisão do seu responsável, encerrou o recebimento de apoios, tão logo foi considerado ter cumprido, com sucesso, a sua finalidade. Entretanto,  não cessaram, até hoje, de forma contínua, os envios de apoios, quer de militares quer de civis.
Atualmente, em face do incremento da gravidade da situação de descalabro político e moral que permeia os poderes da República e da respectiva insatisfação e reação crescente de grande parcela da sociedade mais esclarecida,o volume de apoio ao manifesto vem aumentando significativamente.Assim para dar uma resposta a essas vozes, que exigem o fim de tais descalabros, resolvemos reativar o grito de "Alerta À Nação", recebendo e publicando no site www.averdadesufocada.com os apoios recebidos.Se o desejar assine nos comentários ou mande seu nome para o e-mail Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.  .

ELES QUE VENHAM.POR AQUI NÂO PASSARÂO! 

Atenciosamente
A editoria do site

 

 
MANIFESTO (Atualizado em 09/06/2012 21:59hs) Imprimir E-mail
Notícias - Forças Armadas
 
24/10/14 - Resposta da revista VEJA para Dilma Imprimir E-mail
Notícias - Corrupção

Sobre a fala da presidente no horário eleitoral

A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição, ocupou parte de seu horário eleitoral para criticar VEJA, em especial a reportagem de capa desta semana. Em respeito aos nossos leitores, VEJA considera essencial fazer as seguintes correções e considerações:
1) Antecipar a publicação da revista às vésperas de eleições presidenciais não é exceção. Em quatro das últimas cinco eleições presidenciais, VEJA circulou antecipadamente, no primeiro turno ou no segundo.
2) Os fatos narrados na reportagem de capa desta semana ocorreram na terça-feira. Nossa apuração sobre eles começou na própria terça-feira, mas só atingiu o grau de certeza e a clareza necessária para publicação na tarde de quinta-feira passada.
3) A presidente centrou suas críticas no mensageiro, quando, na verdade, o cerne do problema foi produzido pelos fatos degradantes ocorridos na Petrobras nesse governo e no de seu antecessor.
4) Os fatos são teimosos e não escolhem a hora de acontecer. Eles seriam os mesmos se VEJA os tivesse publicado antes ou depois das eleições.
5) Parece evidente que o corolário de ver nos fatos narrados por VEJA um efeito eleitoral por terem vindo a público antes das eleições é reconhecer que temeridade mesmo seria tê-los escondido até o fechamento das urnas.
6) VEJA reconhece que a presidente Dilma é, como ela disse, “uma defensora intransigente da liberdade de imprensa” e espera que essa sua qualidade de estadista não seja abalada quando aquela liberdade permite a revelação de  fatos que lhe possam ser pessoal ou eleitoralmente prejudiciais.

 
24/10/14 - Choque de realidade Imprimir E-mail
Notícias - Corrupção

Revista VEJA – Carta ao Leitor – 29/10/2014

Em sua edição de 10 de setembro, VEJA escreveu na Carta ao Leitor: “O governo de Dilma Rousseff pode estar na iminência de enfrentar um escândalo de proporções semelhantes às do mensalão”. Começavam naquela semana os depoimentos à Polícia Federal e ao Ministério Público de Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, como parte de seu acordo de delação premiada. Costa, antecipou VEJA, disse aos delegados da PF e aos promotores que nos governos de Lula e Dilma Rousseff a Petrobras foi usada como fonte de dinheiro com que o PT comprava a fidelidade de aliados no Congresso Nacional. Em depoimento posterior, também revelado com antecedência pelos repórteres de VEJA, Paulo Roberto Costa relatou aos policiais que Alberto Youssef, o doleiro preso que fazia o papel de banco clandestino do grupo, seria capaz de dar ainda mais detalhes sobre o funcionamento do esquema de corrupção e as responsabilidades de cada um dos envolvidos.

Nesta edição VEJA publica com exclusividade trechos inéditos da delação premiada de Youssef feita na última  terça-feira:

 
24/10/14 - Militância nova Imprimir E-mail
Notícias - Eleições

Recebido por e-mail - autor não conhecido
Há muitas mensagens circulando contra e a favor de cada candidato.
Resolvi fazer a minha. Não me lembro de ter me engajado em uma campanha eleitoral. Sempre votei consciente, mas nunca fui para militância.
Parto de duas premissas:

I) "Todo homem, por menor parcela de poder que detenha, tende a dela abusar "(Maquiavel);
II) não há uma só pessoa boa sem defeito, a qualidade está na supremacia dos benefícios em relação aos defeitos.

Por isso, não me iludo em pretender encontrar a perfeição em Aécio. Porém, estou convencido que suas qualidades positivas superam as negativas.
Por outro lado, também não nego os benefícios que o PT trouxe ao Brasil. Porém, está evidente que ultrapassou qualquer limite do razoável.
A ambição pelo poder destruiu o discurso da ética, da democracia, da nova forma de governar. Tudo isso, a tal ponto, que ofuscou completamente qualquer avanço que tenha feito.

 
24/10/14 - Para mudar o software Imprimir E-mail
Notícias - Eleições

 CELSO LAFER
O GLOBO - 24/10/2014
Ficou claro que a maioria não deseja a continuidade dos bugs e malfeitos do modo de governar do PT
No século XVIII, o relógio tornou-se paradigma de organização do Estado, tomando o lugar de metáforas mais singelas do poder político, como a do pastor ou a do timoneiro. Representava a ideia de uma máquina apta a organizar a vida da comunidade política com as virtudes da regularidade, cabendo ao governante apenas zelar pelo seu contínuo funcionamento.
Este paradigma tornou-se obsoleto com a complexidade crescente das sociedades contemporâneas, que exigem mudanças e adaptação para enfrentar sempre novos desafios. Por isso, o paradigma do relógio é substituído pelo do computador, uma metáfora dos nervos da governança, como sugere Karl Deutsch. Lida com a “entrada” do fluxo de demandas, administrando-as com seus programas e gerando, deste modo, os resultados da ação governamental — a “saída” —, permitindo avaliar, ao mesmo tempo, por aproximações sucessivas, a maior ou menor necessidade dos updates da reprogramação.

 
24/10/143 - Os números amordaçados Imprimir E-mail
Notícias - Eleições

EDITORIAL
O ESTADo DE SÃO PAULO - 24/10/2014
A sonegação começou pelos dados mais recentes sobre a desigualdade de renda no País, apurados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), vinculado ao Ministério do Planejamento. Em sintonia com os interesses eleitorais da presidente Dilma Rousseff, a cúpula do órgão adiou para depois do segundo turno a divulgação dos números que contrariam a propaganda da candidata sobre a queda continuada da diferença de rendimentos entre os mais ricos e os mais pobres. Em protesto contra a censura, que fere frontalmente o direito de acesso dos brasileiros a informações de natureza pública, um dos diretores da entidade, Herton Ellery Araújo, pediu exoneração do seu cargo. Foi seguido pelo vice-coordenador da sua área, Marcelo Medeiros.

 
24/10/14 - Brasil esta à margem de sistema produtivo mundial Imprimir E-mail
Notícias - Política interna

 EDITORIAL
O GLOBO - 24/10/2014
Mal situada em ranking sobre integração a cadeias globais de produção, economia brasileira se isola e abre mão de conseguir elevar produtividade e de crescer
Na ditadura militar, com ênfase no governo Ernesto Geisel, o país se tornou ainda mais protecionista, a fim de realizar o sonho de contar com uma indústria de base própria, para substituir as importações de insumos petroquímicos, de máquinas e equipamentos.
Uma formidável massa de dinheiro público foi destinada a este projeto estratégico, lastreado em uma ampla reserva de mercado. O desfecho foi um estrondoso fracasso.

 
24/10/14 - Tendências e denúncias Imprimir E-mail
Notícias - Eleições

 MERVAL PEREIRA
O GLOBO - 24/10/2014
As duas pesquisas divulgadas ontem, que colocam pela primeira vez acima da margem de erro a distância entre a presidente Dilma e o candidato do PSDB, Aécio Neves, têm resultados parecidos, mas chegam a eles com medidas completamente distintas, o que pode fazer toda a diferença.
Para o Ibope, Dilma teve um crescimento de 6 pontos percentuais, enquanto Aécio caiu 4 pontos, e a diferença entre os dois é de 8 pontos. Já paia o Datafolha, a presidente subiu 1 ponto e Aécio caiu 1, o que aumentou a distância entre os dois de 4 paia 6 pontos. As duas pesquisas apontam uma tendência de crescimento da candidata à reeleição Dilma Rousseff, mas a velocidade dessa aceleração é distinta, com o Ibope sinalizando uma melhoria em todas as regiões do país e em todas as classes sociais.

 
Mais Artigos...
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Página 1 de 1099